A música mais regravada do rock

Na sexta-feira, dia 13, comemoramos o Dia Mundial do bom e velho Rock and Roll. Aliás, belo dia para celebrar o rock! Aproveito a ocasião para contar a história de um dos maiores clássicos do repertório roqueiro e uma das músicas mais regravadas de todos os tempos. Estou falando de “Louie, Louie”, que nasceu no rhythm and blues e foi ganhando versões em garage rock, punk rock e até em reggae. E versões é que não faltam; em 1996 já se contavam cerca de 1.600! Você já deve ter ouvido alguma delas. Se ainda não ouviu, poderá se divertir pesquisando as pérolas no Youtube. Na lista das 500 maiores canções de todos os tempos, da revista Rolling Stones, ela aparece em 55º lugar.

O pai da canção foi Richard Berry (1935 – 1997), que a escreveu em um guardanapo, em 1955, e só a gravou dois anos depois, colocando-a no lado B do single “You are my sunshine”, com sua banda Pharaohs. Ela fez um sucesso inicial discreto, em Los Angeles (EUA), mas nada demais. A verdade é nem Berry e nem a sua gravadora Flip Records apostavam muito na música de estilo R&B, com toques de calipso (lado B é lado B…); tanto que, em 1959, Berry a vendeu por míseros 750 dólares.

Por um capricho do destino, a música escapou de ser soterrada pelo oceano do esquecimento e foi sendo reavivada em vários cantos dos EUA, através de apresentações e gravações de bandas diversas, que faziam a alegria dos adolescentes dos anos 50 e 60. Bandas como Little Bill & The Blue Notes, Paul Revere & The Raiders, Rockin’ Roberts & The Fabulous Wailers e The Kingsmen fizeram “Louie, Louie” ganhar fama pelo país, sobretudo as duas últimas. Os Wailers foram os responsáveis por dar a cara roqueira – com vocal mais gritado e solo de guitarra – que a transformou em modelo para todos aqueles que quiseram executá-la depois. Mas foi a versão dos Kingsmen (de 1963), um grupo de adolescentes, que consolidou a canção em todo o território dos EUA e fora dele também. A partir daí, a música ganhou um caráter de estágio obrigatório: todo cantor ou banda roqueira tinha que fazer a sua versão. Nos anos 80, Berry reaveria os direitos autorais da sua então consagradíssima música.

E o que explica o fascínio por “Louie, Louie”? A mística do rock dispensa razões cartesianas. Tradução: sabe-se lá o por quê… A letra conta a história de um marinheiro jamaicano que fala, a um barman chamado “Louie, Louie”, da sua saudade pela namorada que ficou em sua terra natal. Sinceramente, não sei onde fica claro que Louie é um barman, mas vá lá…

Inclusive, é na letra que reside uma das maiores polêmicas sobre a música (e que talvez a tenha tornado tão atraente…). Quando a versão dos Kingsmen tornou-se conhecida, espalhou-se a notícia de que a música, em uma determinada velocidade, revelava alguns palavrões, escondidos sob partes ininteligíveis e frases pronunciadas com uma dúbia dicção. Ela foi considerada “suja” e proibida em rádios e até em todo o estado de Indiana, pelo seu próprio governador. Até o FBI entrou na história, realizando uma investigação que durou longos 31 meses e cujo relatório final concluiu que não havia nada que indicasse palavras de baixo calão. Desde então, versões um pouco modificadas tem pipocado por aí. O Iggy Pop teria incorporado uma das versões “sujas”.

Eis aqui a letra como ela realmente é:

Louie, Louie, oh no, me gotta go.
Louie, Louie, oh baby, me gotta go.

A fine young girl, she wait for me.
Me catch the ship across the sea.
Me sail the ship all alone.
I never think I’ll make it home.

Louie, Louie, oh no, me gotta go.
Louie, Louie, oh baby, me gotta go.

Three days and nights we sail the sea.
Me think of girl constantly.
On the ship, Me dream she there.
Me smell the rose in her hair.

Louie, Louie, oh no, me gotta go.
Louie, Louie, oh baby, me gotta go.

Me see Jamaican moon above.
It won’t be long me see me love.
Me take her in my arms and then
I tell her I never leave again.

Muita gente boa já regravou “Louie, Louie”, mas eu vou terminar esse post com a minha seleção pessoal, de alguns componentes da turma que ajudou a movimentar a cena punk novaiorquina nos anos 70, sobretudo a partir do CBGB. Mas isso é assunto para outro post….


Blondie

Patti Smith


Iggy Pop

Anúncios

6 respostas em “A música mais regravada do rock

  1. Gostei da matéria! Só que a mais regravada do rock pertence aos Beatles: ‘Yesterday’. Está no Guiness oficialmente!
    Apesar de tudo, adorei conhecer essa canção ‘Louie Louie’!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s