Um lugar chamado CBGB

Existem lugares que viram referência com o tempo e onde todos querem estar. Nunca são esquecidos, nem mesmo quando não mais existem. O número 315 da Bowery, em Manhattan, era um desses lugares. Era o endereço do adorado CBGB, o berço do punk rock e do new wave nos EUA.

Foto de Adam Di Carlo, tirada em 10/01/2005

Continuar lendo

Anúncios

A música mais regravada do rock

Na sexta-feira, dia 13, comemoramos o Dia Mundial do bom e velho Rock and Roll. Aliás, belo dia para celebrar o rock! Aproveito a ocasião para contar a história de um dos maiores clássicos do repertório roqueiro e uma das músicas mais regravadas de todos os tempos. Estou falando de “Louie, Louie”, que nasceu no rhythm and blues e foi ganhando versões em garage rock, punk rock e até em reggae. E versões é que não faltam; em 1996 já se contavam cerca de 1.600! Você já deve ter ouvido alguma delas. Se ainda não ouviu, poderá se divertir pesquisando as pérolas no Youtube. Na lista das 500 maiores canções de todos os tempos, da revista Rolling Stones, ela aparece em 55º lugar.

O pai da canção foi Richard Berry (1935 – 1997), que a escreveu em um guardanapo, em 1955, e só a gravou dois anos depois, colocando-a no lado B do single “You are my sunshine”, com sua banda Pharaohs. Continuar lendo

Freiras, cantoras e psicodélicas

Quando você ouve falar em música religiosa, logo pensa em música sacra ou em cânticos devocionais, acompanhados por arranjos tradicionais? Ou se quisermos algo mais “moderninho”, poderíamos pensar nos padres cantores pop ou nas diversas vertentes do gospel/evangélico, certo? E a cena musical da década de 1970, nos remete a que? Bom, muita coisa estava acontecendo naquela época (rock progressivo, glam rock, etc), mas uma forte marca foi a psicodelia, que vinha desde os anos 60, e que era marcada pelo som “viajandão”, distorcido e movido a estados de alteração da percepção (“Lucy in the Sky with Diamonds” e afins…). Além disso, a disco music estourava nas paradas, com toda a sua parafernália eletrônica. E se misturássemos essas tendências todas? Isso poderia acontecer? Não só poderia, como de fato ocorreu! E durante os anos 70 mesmo!

Continuar lendo